FITOLOGIA / S&L MARÇO 2008

Endro

Endro.jpgNOME EM LATIM: Anethum graveolens L.
FAMÍLIA: Umbelíferas
OUTROS NOMES: Endro-ordinário, endrão, aneto, funcho-bastardo.
HABITAT: Originário da Ásia Menor e actualmente disseminado, tanto em estado silvestre como cultivado, em toda a Europa mediterrânea e América.
DESCRIÇÃO: Planta herbácea que atinge de 30 a 50 cm de altura. O caule é estriado e as flores, amarelas, estão dispostas em umbelas de 15 a 30 raios desiguais.
REFERÊNCIAS HISTÓRICAS: O endro é uma das plantas medicinais mais antigas: os Egípcios, os Gregos e os Romanos já a conheciam e apreciavam, usando-a como remédio e como condimento.
O seu aspecto é muito semelhante ao do funcho, e diz o médico espanhol do século XVI, Andrés de Laguna, que «se o gosto não fosse o juiz, facilmente se enganaria a vista, tomando um pelo outro».
Efectivamente, o endro tem um sabor mais forte e picante do que o funcho, ainda que as propriedades de ambos sejam muito semelhantes.
PROPRIEDADES E INDICAÇÕES: As sementes do endro contêm uma essência (3%-4%), cujo componente mais importante é a carvona. É um poderoso carminativo (elimina os gases e flatulência intestinais), e aperitivo, além de diurético, galactagogo (aumenta a produção de leite) e ligeiramente sedativo. Também tem efeito emenagogo (estimula a menstruação).
As suas indicações mais importantes são os arrotos e os soluços infantis, assim como o excesso de gases no estômago (aerofagia) e as flatulências intestinais dos adultos (1).
Também se utiliza como sedativo no caso de vómitos, e como estimulante da secreção do leite nas mães que amamentam.
PARTES UTILIZADAS: As sementes.

PREPARAÇÃO E EMPREGO:
USO INTERNO

1 Infusão com uma colher de sopa (mais ou menos 15 g) de sementes, em meio litro de água. Tomar 2 ou 3 chávenas diárias, depois das refeições.


Dr. Jorge Pamplona Roger

*Extraído do livro A Saúde pelas Plantas Medicinais, editado pela Publicadora SerVir, S.A.